Ata de 11 de Julho de 2015

11/07/2015
ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA
ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA JARDINS DE PETRÓPOLIS

Sábado, 22 de Agosto de 2015

Pauta

  • Discutir e votar a continuidade da taxa de calçamento;
  • Discutir e votar o reajuste da mensalidade;
  • Cronograma e forma de fechamento da passagem dos mendes;
  • Criar comissão de trabalho para modernização das portarias;
  • Olá vizinho;
  • Projeto para a área verde;
  • Informes.

Aos onze dias do mês de julho do ano de dois mil e quinze, às 9:30 horas, na Associação Comunitária do Condomínio Jardins de Petrópolis, sob a coordenação dos membros do Conselho Gestor: Hildan, Sávio, Rodrigo, Carmem e Marcia, realizou-se uma Assembleia Geral  Extraordinária na sede da Associação com a seguinte pauta: discutir e votar a continuidade da taxa de calçamento; discutir e votar o reajuste da mensalidade; cronograma e forma de fechamento da passagem dos Mendes; criar comissão de trabalho para modernização das portarias; olá vizinho; projeto para a área Verde e informes.  Iniciou-se a reunião com a conselheira Carmem informando que Adalton não estará à frente da presidência da Associação. Carmem ressaltou a importância da participação de outros associados nas reuniões do Conselho Gestor dado que Adalton saiu deixando o grupo bastante desestabilizado e com dificuldades na gestão. Dalma relatou que a informação obtida é de que Adalton estava com problemas particulares.   Hildan informou que foi solicitado para presidir a mesa e que assuntos ocorridos nas reuniões do Conselho Gestor devem ser resolvidos dentro do próprio Conselho.  Ressaltou que Roberto Rates, atual vice-presidente, assumirá a presidência e o mesmo não iria participar da assembléia porque estava viajando. Destacou que o primeiro ponto de pauta seria discutir a taxa de calçamento. Roney fez intervenção e pediu inversão de pauta, solicitou que iniciasse com o terceiro ponto de pauta referente ao cronograma e forma do fechamento da passagem dos Mendes, justificou que com o fechamento dos Mendes a Associação economizaria 6.200,00 (seis mil e duzentos reais) mensais. Pedro disse que a pauta sobre o fechamento dos Mendes já havia sido decidida em assembleia anterior. Roney disse que nada foi feito.  Sávio relatou que o parecer do advogado da associação estava diferente da sugestão da comissão e da assembléia precedente. Hildan disse que o assunto é muito polêmico, que envolve pessoas que no dia a dia passam pelo Mendes. Hildan salientou que foi decidido o fechamento e que a comissão ficou de apresentar um cronograma, o prazo e como seria feito. Na sequencia, perguntou a todos os presentes se concordavam que Sávio apresentasse a proposta. Todos concordaram. Assim, Sávio explicou que há três problemas na passagem dos Mendes: assalto, moto trilha, passagem dos trabalhadores e de outras pessoas.  Sávio disse que a sugestão é de fechamento gradual. Sugeriu a retirada imediata do Contêiner, um porteiro quatro horas por dia em horários alternados, a negociação com a patrulha para permanecer no local no mínimo meia hora aos sábados pela manhã e também que fossem instaladas câmeras de segurança. Alex também apresentou proposta atinente ao fechamento dos Mendes. Sugeriu a retirada do portão dos Mendes e a colocação de quatro trilhos de linha. Ainda sobre o fechamento dos Mendes, Roney disse que a idéia era deixar a vigilância até que fosse viabilizado o fechamento definitivo. Disse que quando se decidiu em assembleia pelo fechamento dos Mendes todos sabiam que estavam comprando uma briga, salientou que deve ser feito o fechamento.  Lígia disse que sua casa já foi assaltada por duas vezes e que não há nada que iniba a entrada de ladrões, sugeriu que cada um cuidasse de sua segurança. Informou que quando membra do conselho da associação propôs que verificasse a possibilidade da segurança EMIVE no condomínio. Disse ainda que é contra o fechamento dos Mendes. Sávio relatou que por várias vezes Alex mandou colocar cadeado para fechamento da passagem dos Mendes e arrebentavam todos. Hildan disse não acreditar que a proposta do Alex irá funcionar uma vez que motoqueiros sobem qualquer barranco e que poderão fazer outras trilhas. Hildan sugeriu a retirada do Contêiner e que fosse feita uma consulta ao Ministério Público para que o fechamento seja feito na legalidade. Rodrigo informou que fez orçamento para o fechamento com tubo de gás carbônico, mas informou que o valor ficou muito alto. Link disse que a assembléia deveria entender que uma decisão radical poderia gerar conflito.  Alex interpelou solicitando que a sua proposta fosse votada. Disse que ali é uma passagem, mas as pessoas usam indevidamente porque é um lote. Disse também que caso abram caminhos após o fechamento, estes devem ser fechados como foi feito na Mata do Faria. Ismael ressaltou que o problema é sério e que não deve ser resolvido atropeladamente. Disse ainda que qualquer medida que for tomada provocará represália dos que forem prejudicados. Sugeriu calma para resolver da forma mais conveniente para a comunidade e para as pessoas que usam os Mendes como passagem. Disse ainda que o que foi votado no mês anterior poderia ser votado outra vez. Link disse que pode ser que a pauta seja votada de novo. Tyr disse que somos todos adultos e que precisamos ser mais delicados e amorosos uns com os outros. Disse que brigando não se chega a lugar algum. Indaga sobre o porquê votar em algo que não estava decidido em consenso. Sugeriu que enviassem as propostas de fechamento por e-mail. Foi acordado que as propostas seriam enviadas no período de 15 dias e a assembléia aconteceria em 30 dias a contar daquela data. A proposta de Tyr foi aceita por unanimidade. Sobre a pauta taxa de continuidade do calçamento, Hildan relatou que é extremamente importante continuar o calçamento uma vez que há trechos que já foram votados em assembleia, não foram calçados e a Prefeitura não tem condições de atender as demandas de calçamento no momento. Disse também que aprovada a continuidade do calçamento, a associação iniciará a morro forte da rua Amendoeiras que faz  parte do anel. Ressaltou a importância de continuar com a taxa de calçamento informando que o gasto é para além do calçamento. Segundo Hildan, se gasta também com manutenções do calçamento, desentupimentos e execuções de bueiros. Assim, o mesmo propôs a incorporação da taxa de calçamento na taxa de condomínio. Vânia perguntou se existe caso de pessoas que não pagam o condomínio e pagam apenas a taxa de calçamento. Hildan informou que tem pessoas que pagam o condomínio e não pagam a taxa de calçamento. Disse ainda que em consequência disso é que esta taxa precisava ser incorporada. Hildan relatou que fez pesquisa em outros condomínios próximos e a informação obtida é que o valor da taxa de lotes, casas e casas em construção é o mesmo, e superior à taxa cobrada pela Associação. Pedro disse que o calçamento deveria continuar, mas que a proposta de incorporação da taxa não fazia parte da pauta da assembleia. Hildan concordou com Pedro e solicitou que a proposta fosse pautada e discutida na próxima assembleia. Ismael disse concordar com Hildan sobre a incorporação da taxa de calçamento à taxa de condomínio. Vânia sugeriu que a votação do aumento da mensalidade e a incorporação da taxa fosse protelada para a próxima assembleia. Tyr disse que concordava em manter a taxa de manutenção, sugeriu que caso a taxa seja incorporada à mensalidade do condomínio, que fosse boletos separados para que ficasse claro cada taxa e as gestões posteriores não criassem outras taxas. Ricardo falou da necessidade de se fazer a diferença entre ajustes de mensalidade e correções, propôs que a correção fosse feita sob a forma estatutária, pois nas gestões passadas não houve correções das mensalidades e consequentemente ficaram defasadas. Foi deliberado sobre a manutenção da taxa de calçamento, 32 votos a favor, zero contra e zero abstenção. Na sequência, discutiu-se sobre o aumento da taxa de mensalidade e Hildan solicitou que Pedro fizesse a explanação sobre balancete. |Pedro disse que há a receita de contribuições, fundo de renegociações de dívidas, fundo de taxa de calçamento e um fundo de reserva, sendo que o último não está regulamentado estatutariamente. Pedro relatou que a associação possui uma arrecadação das contribuições em torno de 40.000,00/mensais e 80% desse valor é destinado a custeio de mão de obra. As despesas são em torno de 43.000,00. Pedro explicou que todo mês está havendo essa defasagem. Disse ainda que em conseqüência disso a associação recorre aos fundos de renegociação de dívida e de calçamento, sendo que o último é reposto. Informou que além das despesas com advogado e administrativas, em janeiro aumenta as despesas atinentes a Recursos Humanos. A despeito disso, Pedro informa que para ajustar despesas e receitas o ideal é um aumento de 20%, valor que dará condição de administrar a Associação. Disse ainda que, para ficar um pouco mais tranqüilo, o ideal seria um ajuste de 25%. Pedro relata que o condomínio mais barato na região é o Arvoredo e a taxa de mensalidade desse condomínio é no valor de 270,00. Alex disse que na gestão passada o aumento foi de 40% e que valor em dinheiro não foi tão alto, mas em percentual sim. Disse ainda que a época da gestão passada houve muitas reclamações. Maristela relatou que está ficando difícil pagar por três terrenos e que estamos pagando esse valor porque outras pessoas não estão pagando, portanto somos penalizados. Carmem informou que o conselho gestor fez fichas para atualizar dados de pessoas que não pagam, estão dialogando e buscando o motivo. Informou ainda que verificaram que muitas pessoas não pagam muitas vezes por esquecimento. Maristela disse que não quer ser como quem não paga uma vez que não pagando oneram e usam os serviços que outros que pagam. Ainda referente à proposta do aumento de mensalidade, Mauricio indagou ao Conselho Gestor se diante do orçamento pensaram em redução de custos. Pedro disse que há uma rigorosidade atinente a gastos e o conselho fiscal fez relatórios de gestões anteriores sobre o assunto. Roney disse que a despesa que já deveria ter sido cortada é referente ao fechamento dos Mendes. Disse ainda que outra forma de suprir despesa é a tentativa de resgatar as pessoas que pararam de pagar, inclusive decidiu-se em assembléia a data limite para essas tentativas e posteriormente a esta data a cobrança seria judicial. Roney sugeriu reajuste de 9% da mensalidade ao invés do aumento. Sávio disse que o fato de moradores não pagar a mensalidade é um problema, mas ao contatar alguns desses o conselho tem tido sucesso. Ressalta que um dos problemas é a falta de informação. Leonardo disse que o foco é quem não paga. Tem que discutir formas para cobrar de quem não paga, informa que em caso de anistia ele irá deixar de pagar a mensalidade. Sugeriu o reajuste acima do IPCA. Tyr disse que concorda em parte sobre a posição de alguns moradores sobre quem não paga. Disse que devemos usar os termos contribuintes e não contribuintes ao invés de adimplentes e inadimplentes. Decidiu-se que os percentuais de aumento na mensalidade a serem votados seriam de 15%, 20%, 25%, Ismael ressaltou que propostas menos de 20% não fecham o orçamento. 19 votaram o aumento de 15%, 04 votaram 20% e 10 votaram 25%. Sendo assim, o aumento será de 15%( quinze por cento)  na taxa de mensalidade. Em seguida Hildan informou que fez um levantamento de todas as áreas verdes dos Jardins. Disse também que tem algumas áreas verdes que estão sendo invadidas e geralmente é proprietário que ultrapassa o seu limite do lote com cercas. Disse que já foi feito o mapeamento geo-referenciado e informou que o Rodrigo já está conseguindo na Prefeitura placas a serem colocadas nestas áreas. Disse também que estão tentando junto à Prefeitura cercar essas áreas. Hildan relatou ainda que a Associação está pleiteando um recurso na Prefeitura por meio do Projeto FEGA, para recuperação de três nascentes de uma área verde no Jardins. Rodrigo informou que será solicitado da Prefeitura a demarcação de um total de 17 áreas verdes. Segundo Rodrigo, este processo de demarcação irá demorar, dado que a Prefeitura está passando por problemas. Rodrigo sugeriu que fossemos guardiões das áreas verdes, se prontificou a ser guardião de duas áreas e solicitou a colaboração de todos. Maristela se dispôs a ser guardiã da área verde na rua Amendoeiras.Sobre a pauta Olá vizinho, Carmem informou que o evento já acontecia há tempos e que agora está sendo retomado. Carmem informou ainda que Pedro colocou esse assunto em pauta. Pedro relata que antigamente a Associação não tinha uma sede e atualmente a Associação tem um espaço, assim, se o evento foi definido dentro do Conselho Gestor, o olá vizinho deveria acontecer na sede da Associação. Márcia disse que a associação não está administrando o olá vizinho, que o evento é feito para a comunidade do Jardins. Maristela disse que o olá vizinho nunca foi promovido pela Associação, sempre foi para a comunidade. Pedro disse que as convocações estão no sitio da associação. Tyr disse que foi feito uma reunião na casa do Gilson e que foi um momento bacana. Disse que não houve assunto da Associação. Ressalta que estamos no jardins para florescer o amor. Dalma disse concordar com a fala da Tyr, disse que o evento foi muito bacana, tinha em média 50 pessoas. Informou que o que faltou foi estratégia, pois o que muitas pessoas questionaram à época foi o fato de terem usado os recursos da Associação, fazerem faixas, usarem o sitio e promoverem o evento na casa de um não contribuinte, de um proprietário que não reconhece os serviços prestados pela Associação. Ligia indagou se após o evento este proprietário voltou a contribuir. Carmem informou que no momento ainda não. Link sugeriu que o evento permaneça, mas que não envolva a associação. Link disse que as pessoas devem utilizar os instrumentos próprios para promoverem o evento, pois não justifica usar os recursos da associação para favorecer pessoas que não contribuem. Silvana informou que optou por participar da assembleia, pois quer contribuir com a associação. Informou que é disigner gráfica e que possui material sobre prevenção de incêndio, sugeriu-se que a mesma o apresentasse no conselho Gestor. Hildan sugeriu votação da proposta de que a associação irá apoiar não só o Olá Vizinho, mas também outros eventos socioculturais. Por maioria absoluta dos votos, foi aceita a proposta de que a Associação apoiará estes eventos, tendo como único ônus  a divulgação dos mesmos com faixas nas portarias 1 e 2. Nada mais havendo a tratar encerrou-se a Assembleia Extraordinária. E para constar, eu, Dalma Veiga de Araújo lavrei esta Ata, assinada pelos signatários presentes.

Permalink