O JP e os serviços dos correios.

17/04/2018

Vivemos numa região em que a presença dos serviços públicos é precária. Mesmo tendo uma Associação que reivindica esses serviços com insistência quando chegam vem em conta gotas.

Os serviços dos Correios não fogem a esta regra. Os Correios entregavam tudo na secretaria da Associação para serem triados e distribuídos posteriormente para os moradores. Percebendo a grande responsabilidade e riscos a que estava exposta a Associação no manuseio de documentos de terceiros, além do tempo que nossos funcionários dispendiam nesse procedimento, iniciamos, no final de 2013, muitos esforços, cujos comprovantes documentais estão arquivados e disponíveis na nossa sede, para que os Correios entregassem nossas correspondências e malotes diretamente em nossas casas. Esta negociação se deu na mesma época em que foi aprovado pela AGE de 9 de novembro de 2013, por 63 votos a favor, nenhum contra e duas abstenções, para que o recebimento e a entrega de correspondências pela Associação fosse feito somente para os associados que estivessem em dia com o rateio das despesas.

Na época, os Correios colocaram muitos obstáculos para a prestação do serviço de entrega no domicilio, sendo que a Associação se comprometeu a solucionar rapidamente aqueles obstáculos em que podíamos atuar e, um deles, era a colocação de caixas postais em cada residência. Mas ao final, não logramos êxito nesta demanda.

No início de 2014, depois de diversas reuniões e troca de correspondências, os Correios informaram que interromperiam a entrega das correspondências diretamente na Associação, como estava sendo feito até então, alegando que só poderiam fazer isso em condomínio de fato, como nos condomínios  verticais, que tinham razão social e CNPJ de condomínio. Segundo eles, deixar as correspondências na Associação seria como deixar um documento na mão de terceiro desconhecido que não poderia se responsabilizar pela sua guarda.

O único lugar onde o carteiro poderia deixar as correspondências seria nas caixas postais dos Correios para posterior recolhimento pelo próprio morador. Se isto não fosse aceito pela Associação, os Correios deixariam de vir ao JP e toda correspondência deveria ser buscada na sua agência em Nova Lima.

Não nos restou, então, outra alternativa. Foi feito um novo documento- também disponível na Associação – de cessão de caixa postal padrão Correios e que foi instalada ao lado da portaria I para facilitar o acesso dos carteiros na colocação das correspondências. A partir de então e até os dias de hoje este foi e continua sendo o procedimento adotado.

Para os associados em dia com o rateio das despesas e mediante autorização formal assinada pelos mesmos, foi implantado o serviço de entrega de correspondências pelos porteiros. Este serviço não interfere no serviço padrão prestado pelos Correios e consiste na coleta das correspondências pela Associação nas caixas postais dos associados e colocadas nas portarias.

Se as coisas não estão funcionando exatamente assim precisam ser ajustadas, principalmente quanto ao cumprimento dos Correios de colocar as correspondências dentro das respectivas caixas postais individuais e quanto ao atendimento de solicitações de eventuais  caixas postais adicionais. A Associação poderá ajudar na intermediação do morador com os Correios.

A Associação, através desta gestão, insistirá novamente com os Correios para que entreguem as correspondências e malotes diretamente na casa de cada morador.  Sabemos que a atuação da Associação pode ser mais exitosa do que a atuação individual, exatamente por representar um grupo de pessoas que fica unido em torno de melhorias comuns. Sabemos que os serviços prestados pela própria Associação e seus gestores podem ficar cada vez melhores e justos, principalmente se contar com o apoio, confiança e ajuda de seus associados.

Conselho Gestor ACJP

Permalink